Seis contos para um serão

  JOÃO PEREIRA DE MATOS 1. Mistério no Mar   «Cuidado com os perigos do mar», disse a mãe de Roly. Conheça o detetive Diego…

Em tropel até à cova

  JOÃO PEREIRA DE MATOS Dissesse qualquer coisa, pela graça, em redondilha. Dança, contra-dança, em tropel até à cova. Eis a história dele. O abrigo…

Manual de Sísifo

  JOÃO PEREIRA DE MATOS A fuga Corri o mais depressa que podia. Mas os buracos continuaram a abrir-se à minha frente, atrás, de todos…

A Decisão

  JOÃO PEREIRA DE MATOS Eis o momento da decisão. Um único momento. Um que nem antes nem depois pôde acontecer, mas que agora, só…

O deus do labirinto

  JOÃO PEREIRA DE MATOS Sou orbicular fechado. Um deus do meu umbigo. O meu símbolo é a rosa pois, de tão pequeno e modesto,…

Teogonia dois

  JOÃO PEREIRA DE MATOS Um Deus Impaciente    Tinha toda a eternidade mas impacientava-se. Como? Um deus impaciente? Talvez por capricho e poder que…

Minima moralia

  JOÃO PEREIRA DE MATOS 1. A nave dos loucos pára em cada porto e recolhe gente, aos centos e centos. Dentro em pouco, não…

Os Malefícios da Chuva 

JOÃO PEREIRA DE MATOS No dia em que enlouqueci chovia. A primeira coisa que notei foi que um automóvel se dissolvia, mesmo ali, à minha…

Fragmento de um Discurso Amoroso

JOÃO PEREIRA DE MATOS Cara amiga, foi com palavras infelizes e insignificantes que te disse o quanto gostava de ti. Sabes, sempre tive o sonho…

Lisboa Tropical

JOÃO PEREIRA DE MATOS Bem hajam as criaturas da noite. Aquelas de uma boémia triste. Solitária e descontente, nesta Lisboa tropical, onde habita a nostalgia…