Adriano Correia de Oliveira, a voz do não em Portugal

LIVROS COM MÚSICA
Guião para Rádio Transforma . 18 de Setembro de 2022


 

 

1 – Balada do estudante – 3:03

https://youtu.be/zZbYT8bbq2M 

2 – SARA – ADRIANO CORREIA DE OLIVEIRA, VOZ DO NÃO EM PORTUGAL – programa de Maria Estela Guedes com realização de Sara Sousa 

3 – Adriano Correia de Oliveira –  Fado da Sé Velha – 2:45

https://youtu.be/e8jlzeXgnxk

 

 2 – ESTELA – adriano_01 – áudio – 1 minuto mais ou menos

Adriano Correia de Oliveira nasceu em 1942 e morreu em 1982, bem jovem. Ele é um dos cantores mais diretamente conectados com o 25 de Abril, a revolução portuguesa ocorrida em 1974 que acabou com a ditadura vigente e instaurou a democracia.

De modos vários Adriano representa essa linhagem, e não apenas quando canta as baladas de poetas manifestamente apoiantes e até membros de partidos de esquerda, caso de Manuel Alegre ou Manuel da Fonseca. Na qualidade de intérprete do fado de Coimbra, em aparência não politizado, ele enverga a tradicional capa e batina de uma juventude que por diversas vezes se manifestou contra regimes opressivos e se dotou inclusivamente de um Batalhão Académico. Uma das instituições que mais lutou contra a monarquia, em defesa da República, sinónimo quase de Democracia, foi a Maçonaria Académica. Desde pelo menos a Universidade Reformada, no século XVIII, preparatório das independências americanas, que a Universidade de Coimbra gerou manifestantes opositores de regimes opressivos. Então o fado de Coimbra não pode ser visto apenas como veículo da manifestação amorosa, com as típicas serenatas à amada.

 

3 – Adriano Correia de Oliveira – “Minha mãe” do disco “Fados de Coimbra II” (EP 1962) – 3:10

https://youtu.be/JVPDMRvfS0Y

4 – Adriano Correia de Oliveira – “Fado da Mentira” do disco “Noite de Coimbra” (EP 1960) – 3:30

https://youtu.be/7I1YiRKjlek

 

5 – Estela – adriano_02 – áudio –  2 ‘ mais ou menos

As canções de Adriano Correia de Oliveira mais politizadas, que o inserem na categoria de cantor de intervenção, têm letra de importantes escritores, caso de Manuel da Fonseca, um dos mais representativos poetas e ficcionistas do neorrealismo, autor de numerosas obras, entre elas o livro de contos “O fogo e as cinzas” e romances como “Cerromaior” e “Seara de vento”.

Urbano Tavares Rodrigues, outro escritor cantado por Adriano Correia de Oliveira, filia-se no mesmo espírito estético, tomando rumos próprios no correr da vida e da carreira; Urbano é sobretudo ensaísta literário e romancista. Dos seus numerosos títulos citemos apenas Uma pedrada no charco,  Bastardos do Sol e As máscaras finais.

Manuel Alegre, nosso contemporâneo, é um poeta luxuriante, de grande fôlego, cujas tendências só na política se aproximam dos anteriores.

E temos ainda, como suporte literário da música de Adriano, um poeta muito singular, em cuja obra se notam centelhas da sua atividade no setor das ciências. E é precisamente em espírito de laboratório que se desenvolve o mais famoso dos seus poemas, anti-fascista pelo seu repúdio do racismo, “Lágrima de preta”.

Manuel da Fonseca foi membro do Partido Comunista, Urbano Tavares Rodrigues desenvolveu combate tão aguerrido ao fascismo que participou na tentativa de tomada do Quartel de Beja, e Manuel Alegre pertence às fileiras do Partido Socialista. Todos têm o peso da luta e suas consequências no currículo, pois era implacável a censura e a perseguição da PIDE, nome da polícia secreta de então. Comecemos por ouvir a canção “Tejo que levas nas águas”, de Manuel da Fonseca.

 

6 – Adriano Correia de Oliveira – “Tejo que levas as águas” do disco “Que Nunca Mais” (LP 1975): 3:44

https://youtu.be/5spCc9IUcxU

 

7 – SARA – Poemas para Adriano é um conjunto de nove poemas de Manuel Fonseca escritos de propósito para o álbum “Que nunca mais”, de Adriano Correia de Oliveira. Foi lançado em 1975. Em resultado, o músico foi eleito o Artista do Ano, pela revista inglesa Music Week.  

É de Manuel da Fonseca o poema da canção anterior, que agora repetimos como leitura.

            

8 – SARA —

Tejo que levas as águas

Correndo de par em par

Lava a cidade de mágoas

Leva as mágoas para o mar

 

Lava-a de crimes espantos

De roubos fomes terror

Lava a cidade de quantos

Do ódio fingem amor

 

Lava bancos e empresas

Dos comedores de dinheiro

Que dos salários de tristeza

Arrecadam lucro inteiro

 

Lava palácios vivendas

Casebres bairros da lata

Leva negócios e rendas

Que a uns farta e a outros mata

 

Leva nas águas as grades

De aço e silêncio forjadas

Deixa soltar-se a verdade

Das bocas amordaçadas

 

Lava avenidas de vícios

Vielas de amores venais

Lava albergues e hospícios

Cadeias e hospitais

 

Afoga empenhos favores

Vãs glórias, ocas palmas

Leva o poder dos senhores

Que compram corpos e almas

 

Das camas de amor comprado

Desata abraços de lodo

Rostos corpos destroçados

Lava-os com sal e iodo

 

Tejo que levas as águas

Correndo de par em par

Lava a cidade de mágoas

Leva as mágoas para o mar.

 

9 – Adriano Correia de Oliveira – “Lágrima de preta” do disco “Cantaremos” (LP 1970) – 1:30

https://youtu.be/9kvoUd9utFM

 

10 – ESTELA – áudio_03 – 2:10’ mais ou menos – Ouvimos Adriano Correia de Oliveira cantar o poema “Lágrima de preta”, de António Gedeão, um manifesto anti-racista expresso na análise da lágrima em laboratório. O resultado garante que as lágrimas são compostas por água e sal, independentemente de quem as chore. Conclusão: somos todos iguais.

O poema da canção seguinte, “Fala do homem nascido”, do disco “Cantaremos“, é igualmente de António Gedeão. É um grito de vida e pela vida, tão curta que não há tempo a perder. Grito também de vitória antecipada, pois nada há capaz de vencer o poder da vida, sendo ela a natureza. Escreve o poeta:

 

Venho da terra assombrada

Do ventre da minha mãe.

Não pretendo roubar nada

Nem fazer mal a ninguém.

 

Só quero o que me é devido

Por me trazerem aqui.

Que eu nem sequer fui ouvido

No acto de que nasci.

 

Trago boca pra comer

E olhos pra desejar.

Tenho pressa de viver

Que a vida é água a correr.

 

Tenho pressa de viver

Que a vida é água a correr.

Venho do fundo do tempo

Não tenho tempo a perder.

 

Minha barca aparelhada

Solta o pano rumo ao Norte.

Meu desejo é passaporte

Para a fronteira fechada.

 

Não há ventos que não prestem

Nem marés que não convenham.

Nem forças que me molestem

Correntes que me detenham.

 

Quero eu e a natureza

Que a natureza sou eu.

E as forças da natureza

Nunca ninguém as venceu.

 

Com licença! Com licença!

Que a barca se fez ao mar.

Não há poder que me vença

Mesmo morto hei-de passar.

 

Não há poder que me vença

Mesmo morto hei-de passar.

Com licença! Com licença!

Com rumo à estrela polar.

 

 

11“Fala do homem nascido”. Poema de António Gedeão – 3:45

https://youtu.be/rUxFaVzA4w4

 

12 – SARA

Prosseguimos com “Margem Sul”, canção sobre poema de Urbano Tavares Rodrigues. Pertence ao disco “Rosa de Sangue”, editado em 1968. Tem por tema o Alentejo, terra de gente muito pobre, explorada no seu trabalho pelos ricos latifundiários. Outra terrível exploração do povo português foi a guerra colonial, que Adriano também denunciou pelo canto.

 

11 – Adriano Correia de Oliveira – “Margem Sul – 2:27
Poema de Urbano Tavares Rodrigues

https://youtu.be/N1mBYcsBgu4

 

12 – SARA

Pergunto ao vento que passa

notícias do meu país

e o vento cala a desgraça

o vento nada me diz.

o vento nada me diz.

 

Mas há sempre uma candeia

dentro da própria desgraça

há sempre alguém que semeia

canções no vento que passa.

 

Mesmo na noite mais triste

em tempo de servidão

há sempre alguém que resiste

há sempre alguém que diz não.

 

13 – ESTELA – áudio_04 –

Com poemas de Manuel Alegre, ouviremos agora Adriano Correia de Oliveira cantar a “Canção com lágrimas” e a “Trova do Vento que Passa”, das mais familiares da esquerda em tempos de combate ao fascismo. Aludem ambas à falta de notícias de Portugal em tempos de emigração, exílio e guerra colonial, à desgraça dos excluídos pela política opressiva, mas também à esperança de que tudo mude, como afinal mudou. A esperança é uma luz na noite escura a mostrar que a resistência vale a pena, que vale a pena dizer não ao regime que prendia, torturava e cortava a palavra aos artistas e intelectuais. O poeta regressará a Lisboa um dia, e se não for em Maio há de ser em Abril. Ambos esperam o regresso à pátria, pátria e exilado. São poemas muito belos, de resistência, paciência, sofrimento em solidão e dependência, quantas vezes!, da generosidade de outros para sobreviver.

Estes temas – exílio, emigração, guerra colonial – feriam profundamente o regime colonialista. Eram as suas chagas abertas. Temas também de um livro famoso, as Novas Cartas Portuguesas, das Três Marias, cuja primeira edição, em Lisboa, foi apreendida pela Polícia. Graças a Simone de Beauvoir, Marguerite Duras e outros famosos escritores, depressa o romance foi traduzido e publicado em França. É um dos grandes marcos da luta contra a ditadura, tal como as canções de intervenção.

 

14 – “Trova do vento que passa” – 3:31
Poema de Manuel Alegre

https://youtu.be/McRqaiBmIT4

 

15 – “Canção com Lágrimas” – 3:45
Poema de Manuel Alegre

https://youtu.be/9P8-hIW9EgA

 

SARA –  Nem a emigração era drama exclusivamente português, nem Adriano Correia de Oliveira cantou só poetas portugueses. Por isso, vamos ouvi-lo agora no “Cantar da emigração”, com poema de Rosalía de Castro, a bem conhecida escritora da Galiza.

 

16 – Cantar de Emigração – 2:50

Poema de Rosalía de Castro

https://youtu.be/nK7dUfG5Rq4

 

17 – ESTELA – adriano_05 – áudio – 3:00’ mais ou menos

 

A par de fados de Coimbra, baladas e canções de intervenção, Adriano Correia de Oliveira também cantou músicas populares ou que popularizaram textos bem eruditos. É o caso da “Cantiga partindo-se”, de João Roiz de Castel-Branco, coligida no Cancioneiro Geral por Garcia de Resende. Este cancioneiro reúne poemas dispersos dos séculos XV e XVI. A “Cantiga partindo-se”, sendo popular em sentido genérico, até por tantos a terem glosado, musicado e cantado, é muito erudita, aliás o Cancioneiro Geral reúne a poesia palaciana da época, e escusado será dizer que palaciano diz respeito a palácios, o contrário da morada da gente do povo. É um poema complexo e por isso pouco popular. Em primeiro lugar, pelo registo de língua portuguesa da época renascentista; depois, pela complexidade das figuras literárias. Porém, trata-se de uma cantiga que se popularizou na voz de cantores populares, como Amália e Adriano Correia de Oliveira. É um poema de amor, de despedida de um enamorado, e por isso de saudade. Entretanto, reparemos em como o homem se desfaz em lágrimas, o que será no futuro mais próprio do romantismo, lágrimas que a moral doméstica prefere que saiam dos olhos das mulheres. Nos homens, reza essa moral felizmente ultrapassada, que são sinal de fraqueza. Os homens não choram, dizia-se. Mas sim, os homens choram e podem chorar, já demos conta disso ao longo deste programa.

Lerei o poema primeiro, deixando o ouvinte depois com esse tema e “Rosinha”, uma cantiga verdadeiramente popular .

 

De João Roiz de Castel-Branco, a “Cantiga, partindo-se”

 

Senhora, partem tão tristes

meus olhos por vós, meu bem,

que nunca tão tristes vistes

outros nenhuns por ninguém.

 

tão tristes, tão saudosos,

tão doentes da partida,

tão cansados, tão chorosos,

da morte mais desejosos

cem mil vezes que da vida.

 

partem tão tristes os tristes,

tão fora de esperar bem,

que nunca tão tristes vistes

outros nenhuns por ninguém.

 

18 – Adriano Correia de Oliveira‎ – “Rosinha” do disco “Cantigas Portuguesas” (LP 1980) – 1:59

https://youtu.be/Jqhc4nyIUwo

 

———–

 

Se necessário, acaba com:

Adriano Correia de Oliveira‎ – “Vira velho” do disco “Cantigas Portuguesas” (LP 1980): 2:34

https://youtu.be/XwZ6G0Eb5vg