O Brasil perdeu memória?

MARIA ESTELA GUEDES
Maria Estela Guedes (Portugal). Dir. Triplov. Escritora. Assessor Principal (aposentada) do Museu Nacional de História Natural da Universidade de Lisboa.


Com a destruição do Museu Nacional do Rio de Janeiro, o Brasil perdeu memória? Não. Tomo como exemplo um objeto conservado nesse museu, o Bendegó. Depositei o nome na caixa de pesquisa do Google e veio este feedback: “Cerca de 10 100 resultados (0,37 segundos)”.

O Bendegó tem uma história, uma narrativa, contada em dezenas de publicações. É mencionado em todas as obras de Filosofia Natural, desde que foi achado. Decerto existem teses de mestrado e doutoramento sobre o Bendegó. Há textos científicos que o descrevem, quanto ao peso, forma, dimensões, componentes metalúrgicos, etc.. Para sintetizar: até no Triplov temos memórias e fotos do Bendegó, em especial devidos à colaboração de um caçador de meteoritos, Wilton Carvalho. O autor transcreve inclusivamente umas trovas que documentam a memória popular da extraordinária entrada na Terra do Bendegó (1).

Nas bibliotecas dos mais importantes museus de História Natural do mundo podemos ler o que o Museu Nacional do Rio de Janeiro e outras instituições publicaram sobre o Bendegó. Então, tudo isto é memória, os objetos de museu não são mudos, cerca-os um universo cultural e científico, e digo «universo» no sentido de que este conhecimento é mundial e parte maioritariamente das universidades.

O Brasil nem um cisco de memória do Bendegó perdeu, pelo contrário, agora tem mais este meu testemunho a enriquecê-la. O que o Brasil perdeu foi valor, valor e valores em todas as dimensões, incluída a argentária, porque, se quiser um Museu Nacional, vai gastar milhões e milhões de reais, não para substituir o que perdeu (na quase totalidade insubstituível, por se tratar de peças únicas), mas para construir algo novo, moderno, de acordo com os padrões museológicos de agora.

O Brasil nem sequer perdeu o Bendegó, objeto famosíssimo entre os seus pares. Ele está lá, debaixo dos escombros. É um objeto alienígena, veio do grande universo, de alguma estrela ou planeta da Nossa Galáxia. Se não o descobrirem entre as cinzas, é porque alguém o roubou. Roubou a prova do que afirmo, isso foi o que se perdeu e não memória: perderam-se provas, fontes de informação científica, perderam-se os bens materiais. Note, entretanto: a informação científica e literária, manifestações da memória, está toda aí, simplesmente, daqui a 100 anos, a tecnologia e o saber terão evoluído de tal modo que o objeto científico poderia/poderá fornecer informação inédita. Porém toda a informação que o objeto nos forneceu até agora está aí, só no Google há mais de dez mil documentos sobre o Bendegó. Imagine-se, entretanto, que aparecia alguém a contradizer, garantindo que não, o Bendegó é um objeto indígena, nada de ETs. Não o poderia provar sem a fonte de informação, mas não há problema quanto ao Bendegó: ele está no meio dos escombros, sem uma ferida (2).

Wilton Carvalho e o Bendegó. In:

(1) Wilton Carvalho, O meteorito Bendegó, in:
http://www.triplov.com/alquimias/wilton.htm

http://www.triplov.com/alquimias/wilton2.htm
http://www.triplov.com/alquimias/wilton3.htm
http://www.triplov.com/alquimias/wilton4.htm

(2) Passou em vários canais de televisão uma reportagem que mostra a recuperação do Bendegó, entre outras peças mais resistentes ao fogo, conservadas no infelizmente perdido Museu Nacional do Rio de Janeiro.