ADELTO GONÇALVES..........
 
‘Atlas do impossível’: contos surrealistas
O cruel realismo do cais do porto: Os Vira-latas da Madrugada, de Adelto Gonçalves - Por MAURÍCIO SILVA  
"Ladeira do Tempo-Foi’, um romance machadiano
Homenagem ao filósofo José Maurício de Carvalho  
Carlos Nejar: o espetáculo da palavra
Wil Prado: estreia tardia mas auspiciosa
Em busca das raízes no Brasil profundo
Uma gota de ternura em meio à miséria 
O antirromance de quem ainda vai nascer
Um mergulho na cultura árabe
Amilca Ismael e a escravidão no século XXI  
Um romance da alma uruguaia  
A história de Pedro e Inês em cordel   
Um estudo da ‘pedagogia’ da violência
Cecim, o criador do Éden amazônico
Rodolfo Alonso, o fabricante de encantos
Braga Horta e o tempo do homem
Contos dos quais o leitor jamais sairá indiferente
Ronaldo Werneck e o rio de Minas   
A história do capitalismo brasileiro
Saga de um mundo sem rumo
Analisando a justiça “em terras d’ El-rei” na São Paulo colonial
Por Nireu Cavalcanti
O mundo dos homens sob o olhar feminino 
Para entender o mundo corporativo
O romance de Adelto | Por Anderson Braga Horta
‘Goto’, um romance pós-moderno  
De vira-latas e de madrugadas criativas | Por Helio Brasil
Cinco novelas e algumas surpresas  
Vidas (e obras) de poetas
Um panorama da literatura brasileira no século XX
Literatura e cinema em ‘Poeira e escuridão’   
Relatos da vida dura . Por Ademir Demarchi
Um romance do coração do Brasil    
Palácio da Fazenda, um tesouro arquitetônico  
A influência árabe na literatura brasileira  
Os Vira-Latas da Madrugada’, romance caiçara | Silas C. Leite
Microficção: salada de gêneros literários
Uma carreira dedicada às palavras | Entrevista por Raphael Matos
Alexandre O´Neill: uma biografia inovadora
“A corrupção é prática tão antiga quanto o Brasil” |  Entrevista a Adelto Gonçalves por  Rivaldo Chinem
A trajetória do jornalista mais premiado do Brasil
História da Literatura Europeia, uma nova e fundamental disciplina
O fogo criador e suas cinzas 
A ficção da ficção de Eça em Campos Matos
A revolução camiliana
Autores gaúchos divulgados na Itália
Na morte de Herberto Helder (A obra ao rubro)
A dor do mundo em Vera Lúcia de Oliveira
‘Livro de Linhagem’ ou a busca da infância perdida
‘Os ventos gemedores’: saga do Brasil arcaico   
Eça de Queiroz: a biografia definitiva
Mulheres que fizeram História
Na moenda da cidade grande
A mais atualizada das biografias de Pessoa
A belle époque na coleção de cardápios de Bilac
Ex-líbris ou a arte de personalizar os livros
O golpe visto da janela de minha casa
Marquês de Pombal e padre Malagrida: as entranhas de um confronto
Malagrida: o último supliciado pelo fogo
Demarchi, o artesão do verso antropofágico
Camilo Pessanha na intimidade
A homenagem a Salinas devida
O porto de Santos (e outros portos) nas artes
Adelto Gonçalves ganha edição da Academia Brasileira de Letras
Claudio Sesín: o poeta dos ocasos catamarquenhos
A criação literária ao alcance de todos
Um poeta brasileiro que veio da Bielorrússia
A influência russa na literatura brasileira
Guimarães Rosa revisitado
Política com ética. É possível?
O sentimento de açorianidade
Uma descida ao inferno da loucura
Eça de Queiroz, moralista ou devasso?
Dostoievski e os pobres de São Petersburgo
Um campo de concentração nos trópicos  
A sedução totalitária
Cartas a um jovem escritor
Os melhores poetas portugueses contemporâneos
Lima Barreto e o refúgio dos infelizes 
Dicke: a reparação de uma injustiça literária
A poesia do cotidiano de Ronaldo Cagiano
O verso livre de Joaquim Pessoa
O pobre, porque é pobre, pague tudo
2012
A vida (multifacetada) de Pagu em imagens   
Um Habsburg  no meio do mato    
Para além do texto literário
Fontes para a história da propriedade fundiária 
Mendoza e uma esquecida fórmula cervantina
A força criadora de Pushkin agora em português
Como entender a Rússia de hoje
Beneton e a prática da transgressão
Adelto Gonçalves é indicado assessor do
Centro Lusófono Camões de São Petersburgo
Para recordar Agostinho da Silva
Fernando Pessoa, empregado de escritório
Para escapar dos escombros e reconstruir a lusofonia
Arthur Azevedo resgatado
A gênese do pícaro moderno
Lima Barreto: um retrato do Brasil
Na boa tradição dos poetas ensaístas
2011
Uma “redescoberta” da literatura africana no Brasil
Chaves para uma boa leitura
Formação intelectual e política de Patrícia Galvão
Poesia que brota de Bissau
Novas perspectivas de leitura
Lêdo Ivo: poeta e ensaísta
São Paulo colonial em reconstrução
Retrato de Machado de Assis quando jovem
O senhor embaixador
A literatura sob o olhar feminino
«Barcelona Brasileira», de Adelto Gonçalves
Por Ademir Demarchi
Eduardo Mendoza lança 'A assombrosa viagem de Pompônio Flato'
Por Adelto Gonçalves e Alvaro Costa e Silva
Eça de Queiroz em aquarelas 
Um passeio na ilha do sol

Livro italiano sobre Fernando Pessoa traz ensaio de Adelto Gonçalves

Corinto antiga e moderna
Elites paulistas no século XVIII
Grécia para desavisados
Para poucos. E doutos
O ensino da Retórica

2010

Cinco séculos de poesia brasileira
Para enriquecer os estudos queirozianos
Homenagem ao professor Leodegário
Em favor do Nobel para Lêdo Ivo
O pobre na literatura brasileira: o romance de 30
Mendoza: vender novelas como churros
Machado de Assis: tradutor ou recriador?
Drummond e a política
O (verdadeiro) Brasil na poesia de Costa Fernandes
D. Maria I: louca, piedosa ou uma incógnita?
O livro do senhor Soares
Para escapar dos escombros e reconstruir a lusofonia
Ilações tiradas de um manual anti-tiranos 
Arte & Cidade - Menotti e a São Paulo dos anos 1920
Saga da imigração japonesa
O mundo (poético) da viscondessa de Balsemão
Um guia seguro da Literatura Portuguesa
Ramalho Ortigão: vencido e vencedor da vida
Música e sociedade no período joanino
‘Jundu’, uma revista sobre o meio ambiente
O paraíso da infância em Eugénio de Andrade

‘Oeste’: haicai brasileiro fiel às origens orientais

Alguns inéditos de Bocage

Cristino Cortes: conversa com poetas

Nova revista literária francesa traz artigo de crítico brasileiro

2009

Camilo: uma vida sem segredo

Canção para Sophia
Uma nova edição de ‘Dom Casmurro’
Literatura e sociedade na Guiné-Bissau :
O Desafio do Escombro
A maçonaria na virada do século XVIII para o XIX
Machado, 100 anos depois. A imprensa na obra do Bruxo
Viagem ao universo africano
Machado de Assis na Rússia: Dario Alves
Ondjaki: a reinvenção da linguagem
João Alexandre Barbosa:
de uma vida de leitura à leitura de uma vida
O melhor de Fernando Pessoa em prosa
Cinco séculos de poesia brasileira
IMIGRAÇÃO JAPONESA
Uma história de miséria e discriminação
Dois momentos da literatura chilena
Uma edição fac-similar de 'Os Lusíadas'
O pensamento precursor de Fidelino de Figueiredo
A “missão francesa” em pratos limpos
‘Versus’ , a utopia impressa
Moacir Amâncio: um poeta multilíngüe
Bilac, um jornalista bom de briga
Luz na caverna de Saramago
Minas no Setecentos
Camilo Pessanha: retrato por inteiro
Poema em prosa em Mário Máximo
Eça de Queirós redescoberto
Darcy Damasceno, poeta, crítico e tradutor
O mundo picaresco de Mendoza
Invenção do desenho: ficções da memória
Mendoza e a revolução falhada
Auerbach e o Brasil de hoje
Fernando Pessoa e a política
Leituras de Bocage
Anastácio da Cunha: vida breve e marcante
O Brasil sob a sombra de Oliveira Martins
Os mistérios de Barcelona
Claudio Guillén
Machado de Assis, monarquista
Petrarca em Minas Gerais
Luandino Vieira e a literatura como “arma”
Drummond no traço de José Maria Cançado
Camilo Pessanha: retrato por inteiro
África-Brasil: laços apertados
Biazulmi, um anti-herói neopicaresco
Machado de Assis: ironia e sedução
Machado de Assis ganha edição em russo
Um romance com cheiro de África
A odisséia amazônica de Ferreira de Castro
A formação da nação brasileira
Periferias

2007

Sem pecado à beira do Araguaia
Frye e as raízes da cultura judaico-cristã
Rebeliões em nome do rei
“Elite branca” no Brasil
Diálogo entre Brasil e África
No Fim das Terras’: Literatura de Viagens
No bicentenário da morte de Gonzaga
Bocage e Voltaire, outra vez
Os papéis de São Paulo setecentista
Leiradella e a neopicaresca tropical
Anastácio da Cunha: vida breve e marcante
Cem anos de ficção brasileira
Na morte de René Garay
Gabriel Nascente, 40 anos de poesia
Transculturação nas letras brasileiras
Eça de Queiroz e "As Farpas"
O futuro da mídia
SOBRE ADELTO GONÇALVES:
António Oliveira
Duas boas razões para ler um livro
Uma peça do Judeu comprovada
A pequena (e a média) empresa na mídia
Inconfidentes e traficantes negreiros
Bloom  e a sabedoria

Bocage em quarta edição

Gibbon, Nênias e o século XVIII
Lições de mestre Steiner

Sofrer dos dentes no século XVIII

ORIENTE MÉDIO:
A vida numa terra sitiada

Brasil, Portugal e África
Um hino de amor ao rio Douro
Grande Sertão: Brasil
A Amazônia resgatada
Érico Veríssimo: O escritor diante do espelho
Os verdes anos de Érico Veríssimo
 
CRÓNICAS DE VIAGEM
SOBRE ADELTO GONÇALVES
António Oliveira: Duas boas razões para ler um livro

Adelto Gonçalves, nascido em Santos, Brasil, é doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa e mestre em Língua Espanhola e Literaturas Espanholas e Hispanoamericana pela Universidade de São Paulo (USP). É autor de Bocage: o perfil perdido (Lisboa, Caminho, 2003), Gonzaga, um poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002) e Fernando Pessoa: a voz de Deus (Santos, Universidade Santa Cecília, 1997), Os vira-latas da madrugada (Rio de Janeiro, José Olympio, 1981) e Mariela morta (Ourinhos-SP, Complemento, 1977). É colaborador da revista Vértice, de Lisboa, desde 1994. Escreve também no quinzenário As Artes Entre as Letras, do Porto, e na Revista Forma Breve, da Universidade de Aveiro, No Brasil, escreve na Revista Brasileira, da Academia Brasileira de Letras, no Jornal Opção, de Goîânia, e na Revista Philologus, do Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos. É membro da Academia Brasileira de Filologia (Abrafil). É professor de Jornalismo na Universidade Santa Cecília, de Santos, e no curso de Direito da Universidade Paulista (Unip), campus Rangel, em Santos. Ganhou os prêmios Assis Chateaubriand, de 1987, e Aníbal Freire, de 1994, da Academia Brasileira de Letras, e Ivan Lins de Ensaios, de 2000, da Academia Carioca de Letras e União Brasileira de Escritores, do Rio de Janeiro.Escreveu prefácios para dois livros de contos de Machado de Assis publicados em 2006 e 2007 pelo Centro Lusófono Camões da Universidade Estatal Pedagógica Hertzen, de São Petersburgo, Rússia, em edição bilíngüe russo-portuguesa. Jornalista desde 1972, trabalhou em O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo, Editora Abril e A Tribuna, de Santos. Foi correspondente em Lisboa da revista Época em 1999-2000.

 E-mail: adelto@unisanta.br

 

Textos em: Academia Brasileira de Filologia Abrafil (www.filologia.org.br)
 
 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano