FREI BENTO, OP
Bento Domingues (Portugal), teólogo, professor, escritor, pertence à
Ordem dos Dominicanos
Natal ou Páscoa?

1. O dia 25 de Dezembro não celebra o aniversário histórico do nascimento de Jesus de Nazaré. A Igreja de Roma fixou esta data como réplica pastoral à festa solar pagã do Natalis Invicti, festa de inverno no hemisfério norte. Foi uma bela astúcia. Procurava destronar a heliolatria, o culto do sol, pela celebração do nascimento de Jesus Cristo, o verdadeiro Sol Invencível, a luz da justiça e da graça. Se o Natal é decisão romana, a Epifania, a 6 de Janeiro, é de origem oriental: celebram ambas a mesma realidade, a manifestação do Deus humanado.

A linguagem das Escrituras e da Liturgia não caiu do Céu. Para fazer entender a novidade cristã foram transpostas, muitas vezes, imagens e festas pagãs para o universo católico. Onde hoje alguns podem julgar que houve uma paganização do Cristianismo, outros vêem, nesse esforço, a sua cristianização. A este propósito, as descrições que Epifânio de Salamina[i] fez  da festa pagã, de tipo solar, ajudam-nos a perceber os discernimentos que foram necessários para entender a nossa festa de 6 de Janeiro.

Vale a pena ler: “em muitos lugares, os charlatães inventam ritos idolátricos para enganar os adoradores dos ídolos que neles confiam. Celebram, uma festa grandiosa, precisamente na noite que precede o dia da epifania… Temos de referir, em primeiro lugar, a festa que se celebra em Alexandria, no chamado Koreion. Ficam acordados toda a noite, a cantar alguns hinos e a tocar flauta para acompanhar os cânticos que entoam em honra do ídolo. Uma vez terminada a celebração nocturna, ao cantar do galo, descem, empunhando tochas, a uma espécie de capela subterrânea e pegam num ídolo de madeira, despido, colocado sobre uma peanha… A seguir, levam o ídolo em procissão, dando sete voltas ao recinto interior do templo, ao som de flautas, de tambores e a cantar hinos; terminada a procissão, levam o ídolo para a sua sede subterrânea. Se lhes perguntarmos que mistério é esse, respondem: Hoje, a esta hora, Kore, a virgem deu à luz Aion.”

Além desta conotação solar, a festa oriental da epifania aponta para outra festa pagã, a das águas. Epifânio relaciona a festa de 6 de Janeiro com o milagre de Caná.

“Até aos nossos dias, em muitos locais, repete-se o prodígio divino que teve lugar naquele tempo, a fim de dar testemunho aos incrédulos. Em muitos sítios, comprovam-no fontes e rios transformados em vinho. Isto acontece na fonte de Cibyra, cidade de Caria, no momento em que os servos tiram água dizendo: levai-a ao mestre-sala.” (…) Também a 11 de Tybi, 6 de Janeiro, segundo os egípcios, todos irão tirar água e pô-la de parte, tanto no Egipto como noutros países.

 

2. Este ano, o Natal é num Domingo, a celebração semanal da Páscoa. Mas é Páscoa ou Natal? Pensando bem, não poderia haver Páscoa sem Natal, mas um natal sem Páscoa seria dar à morte a última palavra.

Uma coisa é dizer e outra é ter consciência do que isso implica. Há uns tempos a esta parte, observo o seguinte: há cristãos que, ao participarem na Eucaristia dominical, regressaram ao costume depressivo de ficar de joelhos. Uns fazem-no durante a anáfora e outros ajoelham antes de comungar.

Talvez não seja descabido ler o que, já no século II, Tertuliano[ii] destacava: nós consideramos que, ao domingo, não é permitido jejuar nem rezar de joelhos. Do mesmo privilégio gozamos no dia de Páscoa e durante o período do Pentecostes. O grande teólogo, S. Basílio[iii] sublinha: “É de pé que fazemos a oração do primeiro dia da semana, mas nem todos sabem a razão de tal facto. Permanecemos de pé quando rezamos no dia consagrado à ressurreição – como ressuscitados com Cristo e devendo procurar as coisas do alto[iv]– não só porque recordamos a graça que nos foi dada, mas por aquele dia ser, de certo modo, uma imagem do mundo que há-de vir. (…) É necessário, pois, que a Igreja habitue os fiéis a rezar de pé, a fim de que, pela incessante invocação da vida eterna, não nos esqueçamos de preparar o nosso viático, em vista da nossa partida para o céu”.

3. Dir-se-á que não vale a pena perder tempo a procurar saber se é melhor rezar de pé, de joelhos ou sentados. É verdade e seria ridículo dizer a uma pessoa que se ajoelha para comungar: levante-se!

A oração não é um comportamento exclusivo de nenhuma religião. Jesus era um grande orante, mas o seu primeiro cuidado não foi o de arranjar um manual de orações para os seus discípulos, que se queixaram desse descuido. Não se esqueceu, porém, de evangelizar a oração[v].

Segundo S. Mateus, importa não imitar os hipócritas exibicionistas nem os gentios que entendem que é pelo palavreado excessivo que serão ouvidos: o vosso Pai sabe do que tendes necessidade antes de lho pedirdes. A oração nasce em nós, por causa dos nossos limites. Pedir socorro, quando se está aflito, é uma atitude normal e saudável. É uma forma de resistência ao fatalismo.

Importa, no entanto, não transferir para a nossa relação com Deus a ficção de que O estamos a informar e a convencer, inventando um sistema de cunhas para O fazer entrar nos nossos projectos.

A oração não é para convencer a Deus é para nos convencer de quanto precisamos de Deus e dos outros para transformar o mundo.

Boa ressurreição!

 

in Público 24.12.2016

[i] 310-403 dC. Cf. José Manuel Bernal, Para viver o ano litúrgico, Gráfica de Coimbra, 2001, pp 301-303

[ii] 160-220 dC

[iii] 329-379

[iv] Col 3, 1

[v] Mt 6, 1-13; Lc 11, 1-2;

www.we-are-church.org/

 

 
 

 

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano