Procurar imagens
     
Procurar textos
 

 

 

 

 

 

ALEXANDRE HERCULANO
O Bispo Negro

 

 
 
 
 
Carvalho e Araújo (Bibliografia de Alexandre Herculano de).

A Voz do Propheta, Ferrol, 1836; a indicação do lugar parece suposta, e que a impressão se fez em Lisboa; 2.ª série, Lisboa, 1837; ambas as séries foram reimpressas no Porto em 1837, saindo então anónimas; o 1.° opúsculo foi também reimpresso no Rio de Janeiro em 1837; A harpa do crente, tentativas poeticas pelo autor da Voz do Propheta, 1.ª, 2.ª e 3.ª séries, Lisboa, 1838; Da Escola Polytechnica e do Collegio dos Nobres, Lisboa, 1841; este opúsculo é confutação de outro, que anteriormente se publicara com o título: Analyse do Parecer da Commíssão de Instrucção Publica da Camara dos Senhores Deputados sobre o projecto de lei n.º 58‑A; 0 Monasticon: tomo I – ­Eurico o Presbytero, Lisboa, 1844; 2.ª edição, 1847, 3.ª 1854; nova edição em 1896; tomo II – 0 monge de Cistér, ou a epoca de D. João I, Lisboa 1840; outra edição em 1848; outra em 1878; nova edição em 1896; Lendas e narrativas, Lisboa, 1851; 2 tomos, compreendendo o 1.°: 0 Alcaide de Santarem, Arrhas por fôro de Hespanha, 0 castello de Faria, e a Abobada; o 2 °: A dama pé de cabra, 0 bispo negro, A morte do Lidador, 0 parocho da aldeia, de Jersey a Granville; quase todos estes romances haviam sido publicados no Panorama; 2.ª edição em 1858, 3.ª em 1894; Poesias, Lisboa, 1850; é dividida em 3 livros: 1.º a Harpa do crente; 2.º Poesias varias; 3.º Versões; nova edição em 1860; Os infantes em Ceuta, pequeno drama lírico, Lisboa, 1844; Historia de Portugal, tomo I, Lisboa, 1846, chega até ao fim do reinado de D. Afonso I; foi reimpresso no mesmo ano, e novamente em 1853 com a indicação de 2.ª edição; 3.ª edição em 1863; tomo II, 1847; contem os reinados de D. Sancho I, D. Afonso II e D. Sancho II; saiu em 2.ª edição e com alterações importantes em 1854; tomo III, 1849: trata do reinado de D. Afonso III, e apresenta o desenvolvimento, ou quadro da história social da monarquia durante os reinados precedentes; 2.ª edição em 1858; tomo IV, 1853; Eu e o clero, Lisboa, 1850; este opúsculo deu lugar a uma grande polémica, e no Diccionario bliographico, vol. 2.º pag. 243 e seguintes trata-se largamente sobre este assunto, notando-se os demais escritos do autor que lhe dizem respeito; Da origem e estabelecimento da Inquisição em Portugal, Lisboa, 1854 o tomo I; e 1855 o tomo II, e em 1859 o tomo III; outra edição em 1867, e outra em 1885; Da propriedade litteraria e da recente Convenção com França, carta ao sr. Visconde de Almeida Garrett, Lisboa, 1851; A reacção ultramontana em Portugal, ou a Concordata de 21 de Fevereiro, Lisboa, 1857; O Clero portuguez, Lisboa, 1841; Ao partido liberal portuguez, a Associação popular promotora da educação do sexo feminino, Lisboa, 1858; Memoria sobre a origem provavel dos Livros de linhagens, Lisboa, 1854; Do estado das classes servas da Península desde o VII até o XII séculos; saiu nos Annaes das Sciencias e Lettras, publicadas pela Academia Real das Ciências, 2.ª classe, 1857, n.os 7, 8, 9 e 10; Estudo sobre os vinculos, saíram no Archivo Universal, tomo I, 1859, n.os 5 e 7; 0 Fronteiro d'Africa, ou tres noites aziagas, drama historico portuguez em 3 actos, Rio de Janeiro, 1862; representou-se em 1838 no antigo teatro do Salitre, mas não se imprimiu nunca em Lisboa; 0 Bobo (1128), Rio de Janeiro, 1866; tinha sido publicado no Panorama; outra edição, Lisboa, 1893; Casamento civil, carta dirigida ao Jornal do Commercìo, datada do 1.º de Dezembro de 1865; acerca desta polémica encontram-se no Diccionario bibliographico, vol. 9, pag. 182, diversos escritos que então se publicaram; Estudos sobre o Casamento civil por occasião do opusculo do sr. Visconde de Seabra sobre este assumpto, Lisboa, 1866; Carta ácerca do mosteiro de Lorvão, incitando os sentimentos da compaixão publica a favor das monjas suas habitadoras, inserta no Periodico dos pobres do Porto de 6 de Agosto de 1853; Carta aos eleitores do concelho de Cintra, recusando acceitar a eleição que d'elle haviam feito para seu deputado ás côrtes, saiu no Jornal do Commercio, de 23 de Maio de 1853; Carta em que expõe alguns dos motivos que o levaram a resignar a grã‑cruz ela ordem de S. Thiago, com que fôra condecorado, bem como já resignara a commenda da Torre e Espada, saiu no Jornal do Commercio de 7 de Dezembro de 1862; Opusculos: controversias e estudos historicos, questões publicas, 7 volumes; Alexandre Herculano publicou e ilustrou com prefácios e notas os seguintes inéditos: Chronica d'Elrei D. Sebastião por Fr. Bernardo da Cruz; Annaes d'Elrei D. João III por Fr. Luiz de Sousa, conforme o manuscripto autographo existente na Bïbliotheca Real. Também se lhe atribui com bom fundamento um trecho, que com o titulo: Da Arte, fragmentos. Tendo no fim a assinatura A'paidentos, apareceu no Jornal do Conservatorìo, n.º IV, Lisboa, 1839, que provocou uma censura ou contestação, publicada no n.º VI do mesmo jornal, e com o mesmo titulo, assinada por Um Defensor de Horácio. Além do Panorama, redigiu o Diario do Governo, durante alguns meses de 1837, e escreveu na Revista Universal Lisbonense, Illustrução, Revista Academica de Coimbra, Semana, Memorias do Conservatorio, Revista Peninsular, Annaes das Sciencias e Letras, Memorias da Academia Real das Sciencias, etc.

Dicionário de Portugal

 




 



hospedagem
Cyberdesigner:
Magno Urbano