O Gato-Cego

JOÃO PEREIRA DE MATOS (…) E agora foi-se embora. Só deixando, como que a pairar na fina poalha de luz deste entardecer, o seu sorriso.…